Para maioria dos casais, o sexo tem um lugar de destaque.

Este lugar foi reforçado graças a alguns movimentos sociais como exemplo, a emancipação das mulheres, a disseminação de informações relacionadas à prática sexual e à intimidade, assim como o conhecimento da arte da sedução. Portanto, as realidades sexuais estão sendo mais abordadas tanto por homens quanto por mulheres. Isto torna mais fácil consultar um médico para resolver suas dificuldades de ordem sexual. Consultar um médico para tratar eficazmente sua impotência sexual não é mais um tabu, assim como vários medicamentos estão disponíveis no mercado.

o-que-e-a-disfuncao-eretil

O que entendemos por impotência sexual?

A impotência sexual se caracteriza por uma inaptidão em alcançar uma boa ereção, para a realização de uma relação sexual adequada. Ela compromete a satisfação, tanto do homem e da mulher.  A impotência sexual se diferencia no entanto de falhas que o homem pode encontrar ocasionalmente e que são na maioria dos casos, ligados à insônia, fadiga, stress, consumo de álcool e drogas. Ela é permanente e deve ser sentida de maneira frequente por um período de seis meses, antes que se fale de impotência.

anatomia-do-penis-ereto

Quando você faz esta constatação, é importante não deixar esse problema tirar o melhor de seu relacionamento. Ao longo dos anos, a impotência sexual tornou-se um problema recorrente que é observado em cerca de 30% dos homens com mais de quarenta anos. Esta porcentagem está em constante evolução durante anos, devido à capacidade dos homens hoje em dia de sair de seus casulos para obter tratamento.

Nestas circunstâncias, a consulta com um médico é uma etapa importante, pois por trás de toda disfunção erétil frequente pode se esconder uma outra doença mais séria, tal como diabetes ou dificuldades cardíacas.

Os diferentes tipos de disfunção erétil

É frequente ver pessoas confundindo impotência com disfunção erétil. É um engano que distorce o julgamento daqueles que praticam o autodiagnóstico.  É então importante colocar cada expressão em seu contexto.

Disfunção erétil é um termo que se refere a um conjunto de problemas ligados à sexualidade do homem. Neste conjunto se encontra a impotência, que na realidade é somente um componente da disfunção erétil.

A impotência é a inaptidão de ter uma boa ereção para alcançar relações sexuais satisfatórias. Embora mais notáveis em homens com mais de 40 anos, a condição não exclui qualquer homem com idade suficiente para ter relações sexuais. Entre as causas desta doença, se observa muitos aspectos da vida de um homem tais como um estilo de vida ruim, consumo de drogas, álcool ou certos medicamentos, stress permanente, ou outras doenças tais como hipertensão ou diabetes. O modo de vida é a causa mais frequente para os mais jovens.

Uma boa ereção ocorre seguida de um mecanismo:

  • Enquanto o homem sofre um estímulo, há a liberação de monóxido de nitrogênio no corpo cavernoso do pênis
  • É este monóxido de nitrogênio que estimula a enzima guanilato ciclase, o que leva à uma ampliação da concentração de monofosfato cíclico de guanosina (GMPc), que favorece um relaxamento da musculatura lisa do corpo cavernoso e assim um fluxo sanguíneo ao pênis, que é sinônimo de uma ereção
  • Há então, um ajuste do monofosfato cíclico de guanosina pela taxa de síntese de guanilato ciclase e também pela porcentagem de degradação da PDE-5

As causas da impotência sexual

As causas ligadas à impotência são de ordem física e psicológica. No que diz respeito ao físico, observamos:

  • Aterosclerose (doenças cardiovasculares),
  • Hipertensão arterial
  • Diabetes,
  • Traumatismo na pelve
  • Deformação peniana
  • Presença de tumores
  • Mal de Parkinson
  • Doença de Alzheimer
  • Esclerose múltipla
  • Distúrbios hormonais importantes e frequentes

Estas várias doenças podem levar a sintomas, que serão de ordem psicológica e irão levar posteriormente à uma fraqueza sexual. Esta fraqueza não suportada, pode levar à impotência sexual. Entre os sintomas de risco, há o estreitamento das artérias causadas pelo acúmulo de gordura e esclerose das pequenas artérias do pênis. Deste modo, quando não há mais sinais nervosos ou quando este diminui, não há mais fluxo para o pênis.

Causas de ordem psicológica da impotência

causas-da-disfuncao-eretil

Quando um homem tem ereções noturnas, ou seja, no seu estado inconsciente, poderia se considerar que estes problemas de ereção são de ordem psicológica. Aqui, vários fatores podem estar envolvidos, tais como stress, fadiga, crenças religiosas ou culturais. Como a fraqueza sexual não é voluntária, ou seja, não é resultado de nenhum tratamento ou traumatismo, poderíamos apontar causas psicológicas. A ausência de ereção seria então devido à falta de estímulo nervoso, uma inibição inconsciente de ordem emocional.

Quais soluções considerar neste caso?

Fora alguns casos isolados, é bem possível tratar a impotência sexual. Isto é devido a numerosos avanços observados nos últimos anos em relação aos tratamentos, que não somente aumentam, mas são cada vez mais eficazes. A primeira etapa para a solução seria sem dúvida provocar o desejo com ajuda de um tratamento para eliminar razões psicológicas. Para esta finalidade, muitos medicamentos estão disponíveis para adultos, a fim de ajudá-los a ter uma ereção satisfatória. Se trata de tratamentos à base de Sildenafila (Viagra), de Vardenafila, de Tadalafila ou ainda o Spedra descoberto recentemente.

Estes tratamentos funcionam à base de inibidores da fosfodiesterase tipo 5, razão pela qual suas bulas de utilização se parecem.

viagraO Viagra

Viagra é o primeiro tratamento destinado à impotência, desenvolvido pelos laboratórios Pfizer. Assim que a pílula é tomada, ela funciona em 30 minutos e sua ação dura no sangue até 4 horas. Viagra foi desenvolvido à base de Sildenafila, o seu princípio ativo. Os efeitos colaterais do tratamento incluem dores de cabeça, vermelhidão, tonturas, dispepsia, congestão nasal, e visão alterada das cores

cialisO Cialis

O Cialis foi fabricado pelos laboratórios Eli Lilly e está entre os tratamentos mais conhecidos contra disfunção erétil. Como o Viagra, sua ação começa 30 minutos após a ingestão, mas é operacionalmente mais longa. O Cialis tem uma duração de ação que pode se prolongar em até 36 horas. Entre seus efeitos colaterais, observamos dores de cabeça, dispepsia, tonturas, vermelhidão, congestão nasal e dores nas costas.

Cialis diário de 5 mg

O Cialis diário é o único tratamento contra a disfunção erétil, que pode ser usado todos os dias. Sua ação é permanente, pois ele permite que o homem esteja «pronto» a todo instante. Sua ação após a primeira ingestão pode durar entre 3 e 5 dias. Desenvolvido à base de Tadalafila, o Cialis diário possui a mesma composição que o clássico e é fabricado pelos laboratórios Eli Lilly. Entre seus efeitos colaterais, se observa dores de cabeça (a dispepsia), tonturas, vermelhidão, congestão nasal e dores nas costas.

levitraO Levitra

O Levitra é mais adequado para homens mais maduros e aqueles que sofrem de diabetes, colesterol alto e hipertensão. Sua ação começa 20 minutos após sua ingestão e pode se estender nas próximas 5 horas. Fabricado pelos laboratórios Bayer HealthCare Pharmaceuticals, o Levitra tem como princípio ativo o Vardenafila. Seus efeitos colaterais incluem dores de cabeça, vermelhidão, dispepsia, náuseas, tonturas, rinite

levitra-orodispersibleO Levitra Orodispersível

Desenvolvido pelos laboratórios Bayer HealthCare Pharmaceuticals, o Levitra Orodispersível destina-se aos homens que não toleram a ingestão de comprimidos. Seu funcionamento é similar ao do clássico Levitra, e seus efeitos colaterais são os mesmos.

spedraO Spedra

O Spedra é fabricado pelo laboratório Berlim-Chemie AG e oferecido no mercados francês e europeu desde abril de 2014. Posto muito recentemente no mercado, ele serve de estimulante sexual para o homem adulto. Sua ação começa 15 minutos após a sua ingestão e pode se estender até 6 horas, graças ao seu princípio ativo, o Avanafila. Entre seus efeitos colaterais observamos: dores de cabeça, vermelhidão, congestão nasal, tonturas e dores nas costas.

Deve-se notar que os tratamentos sob prescrição apresentam uma certa garantia de eficácia, mesmo que exista muitos tratamentos para impotência no mercado.

7 ações preventivas contra a impotência

Para reduzir os riscos de impotência sexual, propomos 7 ações a serem tomadas que são:

  • O controle de sua pressão arterial, uma vez por ano
  • O controle permanente dos seus níveis de glicemia no sangue, caso você tenha diabetes
  • O controle regular da sua taxa de colesterol
  • A prática de uma atividade física regular e suficiente (pelo menos meia hora por dia)
  • O consumo moderado de álcool e drogas, pois estes são fatores mais regulares
  • A interrupção do cigarro, caso você tenha este hábito. Caso você constate uma impotência sexual, ela pode ser completamente curada após seis meses de interrupção do cigarro.
  • Um consumo saudável e variado, que consiste entre outros evitar comidas não saudáveis, a chamada “junk food”.

É evidente que um modo de vida saudável pode ajudá-lo a evitar a impotência sexual. No entanto, em alguns casos, será útil recorrer a tratamentos. Não hesite em consultar um médico se você notar qualquer problema.

Discutir com sua parceira pode ajudar

A Impotência não é mais um assunto tabu. Assim que você fizer a constatação, falar com sua parceira pode ser uma ajuda, pois isto permitirá tranquilizá-lo e ajudará na retomada progressiva da confiança.

Informações complementares sobre a disfunção erétil

Vazamento venoso e impotência masculina

O vazamento venoso, também chamado disfunção erétil venogênica e insuficiência venosa do pênis preocupa frequentemente os homens jovens, ao contrário de outras causas orgânicas de impotência sexual.

Diretamente ligado à impotência, ele é considerado como uma incapacidade permanente de alcançar uma ereção. O vazamento venoso ocorre quando as veias localizadas no pênis não fazem circular corretamente o fluxo sanguíneo que permite ao homem ter uma ereção. As veias não podem então assegurar o transporte de sangue. O vazamento venoso pode ser concomitantemente uma doença vascular.

Pouco se sabe sobre esta patologia, e seus numerosos aspectos são ainda controversos dentro da comunidade médica. As causas podem ser numerosas e ligadas diretamente a um estado psicológico ou a outras patologias. Mas as soluções e tratamentos adequados permitem lidar com isto. O conselho de um médico é essencial, assim que os sintomas aparecem.

Um pouco de anatomia

O pênis é composto de três cilindros: dois corpos cavernosos e um corpo esponjoso que envolve a uretra.

O corpo esponjoso regula o diâmetro da uretra para deixar passar urina ou esperma durante a relação sexual. Os corpos cavernosos são como esponjas que se contraem para impedir que o sangue penetre, o pênis fica então flácido ou de “repouso”. Quando os corpos cavernosos se relaxam, eles deixam passar o sangue arterial, o pênis incha (tumescência) depois se enrijece, é o que chamamos de ereção. Estas esponjas são constituídas por fibras musculares e pelo tecido conjuntivo, formando a estrutura e os reservatórios vasculares. Esses três corpos cilíndricos são rodeados por uma túnica fibroelástica: Túnica albugínea.

Quando estes tecidos são danificados ou não respondem normalmente aos comandos do cérebro, é vazamento venoso.

As causas de um vazamento venoso

O vazamento venoso, é portanto, uma falha no relaxamento das fibras musculares lisas ou, às vezes, uma anormalidade anatômica do retorno venoso.

As causas de um vazamento venoso podem ser numerosas, incluindo mudanças estruturais nos corpos cavernosos ou baixos níveis de testosterona. Em alguns casos, eles são devido à presença de outras doenças como o diabetes ou ainda o resultado de fibrose.

Em relação às razões psicológicas, as causas são ligadas à atividade do sistema nervoso simpático e à secreção de adrenalina. Provocando a contração das artérias e dos tecidos, isto afeta o sistema nervoso central e impede o fechamento das veias que conduzem inevitavelmente a um vazamento venoso.

Os sintomas de um vazamento venoso

A maioria dos homens que sofrem de vazamento venoso começa a ter problemas de ereção na adolescência. Para estabelecer um diagnóstico de vazamento venoso, os médicos irão procurar sinais que sugerem uma causa orgânica da disfunção erétil, ao invés de uma causa psicológica.

Estes sinais de alerta podem ser:

  • a disfunção erétil que é persistente em todas as ocasiões onde uma ereção é necessária, inclusive com um parceiro/a ou sem um parceiro/a durante a masturbação
  • a perda de qualidade das ereções matinais
  • a perda da qualidade das ereções espontâneas e a resistência ao tratamento da impotência sexual, como o sildenafila e a terapia de injeção do corpo cavernoso.

Assim, se durante uma ereção natural é difícil para o homem manter sua ereção, ele deve geralmente se preocupar. Especialmente se posteriormente, sempre durante uma ereção, após uma injeção vasodilatadora, ele ainda não puder manter a ereção ou mesmo se a pressão cair rapidamente, é provável que se trate de um vazamento venoso. E para a verificação, é necessário realizar uma cavernosografia para visualizar o vazamento dos vasos.

Tratamento para vazamento venoso

Existem muitos tratamentos para este tipo de doença. Seja tratamentos médicos por via oral ou diversos métodos cirúrgicos, é necessário sempre acompanhá-los de um apoio psicológico. Isto é para apoiar o paciente e ajudá-lo a encontrar uma autoconfiança muitas vezes prejudicada. Entre os medicamentos utilizados para tratar o vazamento venoso, mencionamos o Sildenafila por via oral, mas igualmente as injeções intracavernosas. Alguns procedimentos cirúrgicos podem ser oferecidos aos pacientes em função da causa do vazamento venoso: as cirurgias vasculares ou ainda a colocação de próteses penianas. Outras técnicas também podem ser utilizadas, sistemas de vácuo, também chamados de vácuos.

Infertilidade e impotência masculina

Muitas pessoas confundem disfunção erétil e infertilidade. Estes termos são erroneamente utilizados. No entanto, na realidade, são duas situações completamente diferentes e separadas.

Portanto é importante que todos os homens adultos que se preocupam com sua saúde em geral e sua sexualidade em especial conheçam, aprendam e entendam as diferenças fundamentais entre estes dois distúrbios que podem ter um profundo impacto psicossocial em cada homem.

Da mesma forma, há uma diferença notável entre infertilidade e esterilidade. A esterilidade é um estado definitivo, significa que não podemos conceber. Por outro lado, a infertilidade pode ser temporária. Isto significa que será difícil conceber um filho.

A disfunção erétil, esterilidade e infertilidade

Sem dúvida, para os médicos, o fato de um homem ser estéril não tem nenhuma ligação com sua vida sexual. De fato, a esterilidade é um problema que tem relação com o número, forma e mobilidade dos espermatozoides. Enquanto que os distúrbios de ereção estão relacionados a um déficit de pressão sanguínea nos corpos cavernosos do pênis.

A impotência e a infertilidade, portanto, não têm nenhuma relação de causa e efeito e são dois fenômenos distintos.

Assim, um homem que sofre de impotência pode ser de fato fértil e ter filhos. A produção de espermatozoides é independente da capacidade de ter uma ereção duradoura durante o ato sexual.
A disfunção erétil pode causar infertilidade?

Embora impeça a ereção, a disfunção erétil teoricamente não tem nenhuma influência na qualidade do esperma e na fertilidade.

Se a disfunção erétil é ocasional e o homem pode ejacular normalmente, como é o caso da maioria dos homens afetados pela impotência, falamos então de infertilidade pois se trata de um estado temporário. Então, mesmo se as falhas sexuais de repetição impedem o ato sexual propriamente dito, eles não são em nenhum caso ligados à esterilidade do homem.

No entanto, a impotência pode levar à infertilidade ocasional, que é possível tratar com a ajuda de medicamentos contra a disfunção erétil em associação com um modo de vida saudável. Um tratamento hormonal, a fecundação in vitro ou inseminação artificial podem ser considerados últimos recursos e em caso de falha com medicamentos ou cirurgia contra a disfunção erétil.